A Modista do Desterro – Pauline Kisner

Como fazer uma anágua vintage (1950s)

Depois do tutorial da anágua eduardiana, alguns de vocês me pediram um tutorial para uma anágua vintage. Mas falar em anágua vintage é complicado, porque havia vários modelos delas, dependendo da linha do vestido que seria usado. Então montei esse tutorial para um modelinho mais simples, que você pode deixar mais rodada facilmente aumentando as metragens. Ela tem 45cm de comprimento, 50 com o bordado inglês que usei na barra, e é perfeita para dar um up no caimento daquele vestidinho ou saia em estilo vintage que (quase) todas nós têm no armário. Então, vamos lá?

Nossa referência é esse modelo super simpático que foi lançado como molde pela Simplicity nos anos 1950s e continua sendo reimpresso até hoje, porque é um sucesso. Qualquer busca rápida no Pinterest retorna vários modelos de anágua semelhantes, em diversas cores e materiais:

Esse modelo da Simplicity é uma ótima peça para quem está começando a costurar, porque ele é feito em algodão (muito mais fácil de trabalhar do que cetim ou organza, por exemplo) e tem uma montagem muito rápida e intuitiva. É um projeto de um dia de trabalho e sem qualquer correria. Nós vamos trabalhar com duas opções aqui: anágua com cós fixo na medida da sua cintura e anágua com cintura de elástico. Como meu peso tem oscilado um pouco por causa da reeducação alimentar, eu prefiro as de elástico, mas isso é muito pessoal.

Também é um projeto econômico, já que não envolve cortar nada em godê. Essa anágua é formada por três retângulos de tecido franzidos. A medida dos retângulos varia muito de acordo com o uso que você quer dar para a anágua, mas lembre: quanto mais metragem, mais franzido e quanto mais franzido, mais volume ela terá – principalmente se você engomar, o que eu realmente aconselho.

Resuminho do projeto, com as metragens que eu usei na minha anágua:

Acrescentando as margens de costura, corte seu tecido em tiras com as larguras do diagrama (15cm+2cm de margem de costura em toda a volta). Depois, una as tiras entre si até chegar ao comprimento de cada uma das camadas.

Quem é plus size ou gosta de saias bem rodadas pode aumentar a primeira camada de 2m para 3m . Ela vai ficar um pouco mais rodada e ajudar a dar o efeito de uma cintura um pouco mais fina.

Montando a Anágua Vintage

Existem várias técnicas para franzir e distribuir o franzido, mas eu vou ensinar uma que eu gosto muito e me parece ser melhor para trabalhar com grandes metragens.

1. Comece passando um ponto de zigue-zague ou overloque em todas as camadas separadamente. Monte o cós na camada 1. No final do post tem vídeo ensinando a fazer os dois modelos de cós (fixo e elástico).

2. Faça a barra e aplique qualquer detalhe de barra que você queira na camada 3.

3. Vamos fazer as marcações três marcações em cada uma das camadas: centro ou metade (C), 1/4 (A) e 3/4 (B). Você pode marcar esses pontos com um alfinete, um giz ou uma caneta daquelas que sai com o calor do ferro de passar. Você terá isso:

4. Começando sempre pela camada de baixo, una os pontos da camada 3 aos pontos da camada 2:

5. Faça o franzido de cada uma dessas seções separadamente, assim você conseguirá controlar melhor a distribuição do franzido. Eu gosto de fazer à mão e depois passar uma costura reta na máquina, mas você pode fazer direto na máquina 😉

6. Repita o processo para unir a camada3+camada 2 à camada 1.

7. Se você estiver trabalhando com cós fixo, aplique o zíper. Se você estiver fazendo um cós elástico, pode fechar a peça.

Parece simples? É MUITO SIMPLES! E depois de fazer a primeira você vai querer fazer muitas outras <3

No final, você terá algo assim:

Tadinha, gente, ela tá sem goma.

Olha como ela abre bem:

Como fazer o cós

  • Cós elástico:
  • Cós fixo:

Usando a anágua com saias

Sem goma ou com uma goma mais levinha, ela fica perfeita para dar uma leve estrutura em saias godê total, só para elas não caírem completamente retas na volta do corpo. Sem contar que você ficar mais protegida contra um ventinho folgado:

Eu também uso essa anágua como cobertura em cima da anágua de filó, para não marcar em tecidos mais leves. A minha anágua de filó foi feita com esse mesmo diagrama, mas as medidas das camadas são 3m, 6m e 12m:

A anágua de algodão ajuda a “derrubar” um pouco dos gomos da anágua de filó e deixa a saia com um caimento melhor:

Não é uma saia lolita. É de Umbanda mesmo.

Adaptando sua anágua

Você pode variar os materiais e fazer camadas sobrepostas para conseguir mais volume. Chiffon e organza ficam muito bons assim e são ótimos para vestidos mais arrumadinhos.

Você também pode aumentar a anágua, ampliando a largura das camadas ou até adicionando mais uma camada. E fica bem bonitinho ter uma renda mais fina na barra que aparece na saia de cima ou quando você anda, senta, etc. Fica sexy.

Dá pra usar esse mesmo diagrama com tule ou filó. Nesse caso, você vai precisar fazer um forro (que pode ser um retângulo de cetim ou algodão 5cm mais curto que o tule/filó e com 3m de largura), porque são dois materiais que incomodam bastante.

E não fique só na anágua. Experimente usar o diagrama para fazer saias fofinhas para o dia-a-dia!

Confira alguns fotos de peças originais e catálogos da época para inspirar sua anágua vintage:


Gostou do artigo?

 Então que tal ajudar a produzir ainda mais conteúdo de qualidade?

Seja um padrinho d’A Modista do Desterro e ajude a manter o blog sempre com conteúdo exclusivo e fresquinho para você. Nossos padrinhos ajudam a decidir o conteúdo, escolhem novos temas e tutoriais e podem até contar com uma consultoria exclusiva para algum projeto especial.

Tags:

compartilhe

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.