tutorial anágua eduardiana
Costura Histórica,  Lingerie Histórica,  Tutoriais

Tutorial: Anágua Eduardiana Básica

A anágua é uma peça fundamental para vários períodos históricos. Além de ajudar a proteger as pernas contra qualquer vento mais saidinho, as anáguas podiam tanto aquecer o corpo quanto ajudar a dar forma às saias. Embora cada época tenha um tipo de anágua específica, o modelo que vamos aprender nesse tutorial é o mais básico, que serve tanto para trajes históricos quanto para cosplays. Vamos lá?

 

PARA FAZER SUA ANÁGUA VOCÊ VAI PRECISAR DE:

1m e a 1.5m de tecido de lençol branco, daqueles super largos

Decorações: bordado inglês, rendas, passa-fita, fita de cetim, etc.

Fita ou cordão branco, para a cintura

Material básico de costura (alfinetes, tesoura, linha, máquina, etc)

 

MEDIDAS NECESSÁRIAS:

Altura total (comprimento desde a cintura)

Altura do babado (meça da cintura até o ponto em que você quer que comece o babado.

 

MOLDE DA ANÁGUA

tutorial anágua eduardiana

Sendo que:

AC = Comprimento da saia + 10cm (6cm para a barra, 4cm para o cós. A barra mais larga e pesada ajuda a estabilizar a saia).

AB = Largura total do tecido

Dica da Modista: uma anágua comum, que não era usada para vestido de festas, ficava no meio da canela. Ela precisa ser mais curta do que a saia para que você não tropece nela quando caminhar

 

MONTANDO A SAIA

1. Passe o ziguezague ou overloque em todo o tecido, incluindo o babado.

2. Costure as rendas e bordados do babado. Faça a barra nos babados para deixar tudo pronto.

3. Faça o encaixe/canaleta do cordão no cós, dobrando a parte de cima do tecido e passando uma costura reta.

4. Feche a anágua completamente de um dos lados. Do outro, deixe uns 15cm sem fechar na parte de cima.

5. Faça a barra da anágua. Se quiser, aplique uma renda por cima da barra. Isso ajuda a disfarçar eventuais costuras tortas e, ao deixar a barra mais pesada, ajuda na estabilidade da peça também.

 

Vamos à aplicação do babado:

Tem gente que gosta de franzir o babado todo e aplicar direto na saia. Eu prefiro fazer isso por seções:

* Marque a altura do babado em toda a largura da saia. Com o auxílio da régua, trace uma linha fina (com lápis ou aquelas canetas que somem no ferro de passar). Esta linha será sua guia para aplicação do babado.

* Divida a largura da saia em 4 partes. Marque esses 4 pontos com um alfinete.

* Divida seus babados em 4 partes iguais. Alfinete cada marcação do babado nos alfinetes que já estavam na saia.

* Agora você pode franzir ou preguear cada seção separadamente!

A Lara Rogedo, do canal Algodão Cru, tem um ótimo vídeo com três técnicas diferentes para franzir babados, caso você queira testar outro método:

Uma vez montada a anágua, você terá algo assim:

tutorial anágua eduardiana

Não se preocupe com o formato tubular. Como ela é ajustada na cintura com um cordão, a anágua acompanhará a forma do seu corpo 😉

 

DECORANDO A ANÁGUA

Ao contrário da Era Vitoriana, mesmo as anáguas mais simples da Era Eduardiana tinham algum tipo de decoração, geralmente na própria cor da anágua. Rendas de vários tipos, que nessa época haviam ficado mais baratas graças à produção em máquinas, eram a principal escolha, junto com bordado inglês (broderie, laise, lese), passa-fitas e fitas de cetim.

tutorial anágua eduardiana

Alguns modelos tinham decorações mais simples, mas não menos charmosas:

tutorial anágua eduardiana

 

tutorial anágua eduardiana

AMPLIANDO O EFEITO DA ANÁGUA

Por si só, a anágua já vai criar um discreto volume debaixo da sua saia. Mas, para realmente dar o efeito de uma silhueta eduardiana, a goma será sua melhor amiga.  E aqui tem um bom vídeo que ensina a engomar tecidos em casa:

GOSTOU DESSE ARTIGO?

 Então que tal ajudar a produzir ainda mais conteúdo de qualidade?

 

Seja um padrinho d’A Modista do Desterro e ajude a manter o blog sempre com conteúdo exclusivo e fresquinho para você. Nossos padrinhos ajudam a decidir o conteúdo, escolhem novos temas e tutoriais e podem até contar com uma consultoria exclusiva para algum projeto especial.

COMENTÁRIOS

Historiadora, costureira e apaixonada pela história das coisas miúdas e aparentemente insignificantes. Alguém que acredita que a vida é muito curta para usar roupas comuns e que a moda é, sim, um espelho da história.

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »