Portfólio

Traje de Baile + Cosplay BatGirl Vitoriana

Faz 6 meses que eu terminei esse traje e não acredito que ainda não tinha escrito um post sobre ele! #facepalm

Quando 2019 começou, eu já sabia que teria dois grandes eventos no mesmo mês: a ComicCon Floripa e a Steampunk Santos. Não daria tempo de fazer um traje para cada um e eu queria MUITO usar um cosplay de inspiração histórica na CCFloripa, então por que não fazer um traje 2 em 1? Assim nasceu um traje de baile meio 1870, meio 1880, que com pequenas modificações pode se transformar num cosplay de BatGirl Vitoriana.

PROCURANDO INSPIRAÇÃO

Minha principal inspiração foram as pinturas magníficas do Tissot, com todo aquele mar de babados flutuando aos pés das mulheres:

“Too Early” (1873), de James Tissot.

Eu sou apaixonada por trajes de luto, mas não queria usar algo preto, nem cinza. No espectro de cores do meio-luto, o que mais me agrada são os tons de lilás e existem alguns bons exemplos de combinação desses tons com preto. Essa aqui é uma das minhas favoritas:

Só que essa fashion plate me colocou dois problemas: eu não consegui um tecido listrado decente e sou muito baixinha e gordinha para usar um corpete polonaise (ele me deixaria totalmente achatada!). Foi aí que me voltei definitivamente para os trajes de baile:

Honestamente, tem como não amar?

À essa altura eu já sabia que queria um corpete com decote aberto e mangas curtas, uma saia bem volumosa e com uma cauda que fosse possível de manusear e já tinha fechado a paleta: lilás com preto. Foi só quando coloquei os materiais todos juntos que percebi que estava muito próxima das cores da Batgirl, o que aconteceu basicamente porque eu encontrei esse cosplay incrível e simplesmente AMEI a ideia:

cosplays históricos

SUGERIDO | 10 cosplays históricos para você se inspirar

ESTRUTURA INTERNA

Por ser uma silhueta com a qual eu não tenho muita intimidade, sabia que precisaria de uma ajudinha com os moldes… então aproveitei a oportunidade para comprar e testar vários moldes de uma das minhas marcas favoritas, a Truly Victorian. Inclusive, se você está procurando moldes históricos prontos para trabalhar, dá uma olhadinha nesse artigo.

Eu já tinha em casa o molde da anquinha, só que num formato e padrão 1880. Aqui foi que o frankenstein nasceu, rsrsrsrss. O molde que eu usei foi o TV163, o Imperial Tournure, que é mais conhecido como “bustle lagostinha”:

SUGERIDO|  Bustle lagostinha (1880s) + resenha molde Truly Victorian

Como eu já tinha comprado todos os moldes, comprar mais um só por causa da anágua em plena alta do dólar estava totalmente fora de cogitação. Então resolvi fazer meu próprio molde de anágua, que funcionou num primeiro momento:

SUGERIDO| Anágua Bustle: Um mar de babados!

Embora eu continue amando essa anágua de paixão por conta do trabalho excruciante que ela me deu, com o passar do tempo percebi que ela é muito pesada e acaba forçando os aros da anquinha pra baixo. Isso diminui o volume natural do bustle e acabou causando um problema: os dois aros de cima começaram a desfiar o tecido e eu precisei fazer um bordado de reforço.

 

A SAIA

Como eu precisava de uma saia fluída e com cauda, optei pelo TV201, que é uma saia em painéis da Primeira Era Bustle. Para fazer o traje em si, escolhi um tecido de cortina (seda sintética) que estava em liquidação, num tom de lilás que parecesse ligeiramente desbotado. Como a ideia ainda é fazer um corpete extra para esse traje, comprei o suficiente para ter uma boa sobra no armário de tecidos 😉

A montagem da saia em si foi muito fácil e uma das melhores coisas desse molde é que ele tem um bolso IMENSO, onde dá pra enfiar tudo mesmo e dispensar a bolsa.

Para conseguir criar o efeito que eu precisava na parte de trás da saia, modifiquei o molde no painel traseiro para torná-lo mais longo e volumoso. E, para conseguir drapear aquelas dobras maravilhosas, usei o tutorial da Jennifer Rosbrugh:

Com essa técnica e a anquinha, consegui todo o exagero de volume traseiro que eu procurava:

CORPETE

Como eu sou uma pessoa azarada, perdi todas as fotos da confecção do corpete. Mas podemos falar de alguns detalhes. Ele foi feito usando o TV460A, que é um corpete da Segunda Era Bustle que pode ser feito tanto em versão de passeio (decote alto) quanto a versão de baile que eu fiz. Originalmente ele tem apenas uma manga curta, mas a altura da manga acabou enfatizando as minhas gordurinhas logo acima do cotovelo, então acrescentei um babado de chiffon preto bordado, com uma barra de renda guipure bem fininha.

Todo o decote foi finalizado com a mesma fitade veludo que usei no babado da saia. Nos ombros coloquei dois laços da mesma fita, porque laços eram uma das decorações favoritas do período para vestidos de baile. Os botões da frente foram encapados em casa, mas eu não curti muito o resultado deles, então estou refazendo.

Vou deixar vocês com frente e costas do traje pronto:

E na versão Batgirl, primeiro com máscara, luvas e morceguinho no uniforme:

E depois na versão final, com a máscara de baile e a capa:

 

COMENTÁRIOS

Historiadora, costureira e apaixonada pela história das coisas miúdas e aparentemente insignificantes. Alguém que acredita que a vida é muito curta para usar roupas comuns e que a moda é, sim, um espelho da história.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »