Beleza & Cosméticos

Testando cosméticos históricos: Pomatum

Eu venho fazendo alguns experimentos com cosméticos históricos. Depois de testar o pó-de-arroz vitoriano, comecei a brincar com outras receitas em casa e resolvi investir um tempinho para pesquisar maquiagem e cosméticos do século 18. E uma das coisas que mais me chamou a atenção foi o pomatum, uma versão setecentista da nossa boa (e super útil!) pomada modeladora.

cosméticos históricos pomatum penteados século 18

Os penteados do século 18 tendem a ser bem volumosos; em cada década esse volume estava num local específico e, em alguns momentos, os penteados ficaram realmente gigantes, só para diminuir nos anos seguintes. Uma das técnicas usadas para conseguir tanto volume era colocar suportes internos (que podiam ser almofadas feitas com crina de cavalo ou com o próprio cabelo da pessoa), que eram então cobertos com o cabelo da pessoa. Mas esse cabelo não ia para lá de qualquer jeito: ele era primeiro penteado de leve ao contrário e depois cobria as almofadinhas. Toda essa operação demandava tempo e uma certa ajudinha cosmética. Nesse caso, uma habilidosa combinação do pomatum com os pós aplicados sobre o cabelo

pomatum aparece em quase todos os livros de cosméticos históricos do século 18 e 19. Até livros de 1840 ainda traziam variações da receita. Era basicamente uma pomada oleosa, que podiam ou não ser aromatizada, e que era aplicada sobre os fios de cabelo para assentar os fios no lugar e modelar o penteado corretamente. Nos penteados do século 18, ele ajudava na aderência do pó que, além de pegar melhor no cabelo, não deixaria os fios muito secos.

pomatum cosméticos históricos penteados do século 18
Os “enormes penteados franceses” eram muito satirizados pela imprensa inglesa, como nesse cartoon dos anos 1760.

AS RECEITAS

As receitas são as mais variadas possíveis, mas todas elas têm uma coisa em comum: a presença de duas gorduras com pontos de fusão diferentes. Ou seja, temos uma gordura que demora a derreter e outra que derrete rápido. A combinação dessas gorduras cria uma pomada que fica sólida no recipiente, mas amolece em conta com o calor da mão, ficando na consistência perfeita para você aplicar no cabelo sem fazer sujeira.

Cosméticos históricos não são nem um pouco veganos ou ecologicamente corretos. Alguns dos ingredientes mais comuns das receitas que encontrei incluem espermacete (uma substância extraída da cabeça de baleias) e banha animal (de porco e de carneiro). Tanto um quanto outro eram produtos de difíceis de obter e que movimentavam uma indústria muito lucrativa. Enquanto o espermacete era um produto mais refinado, a banha era mais acessível e havia lojas que vendiam banha purificada (livre de sangue e carne, fervida várias vezes) já para a fabricação do pomatum e outros cosméticos históricos.

Receitas de pomatum são encontradas com facilidade nos livros da época e nos fornecem sugestões interessantes de combinações de aromas. Como os óleos essenciais aderem muito bem às gorduras derretidas, fiquei realmente impressionada com o resultado, que durou o dia todo. É, o século 18 realmente não era tão sujo e fedido quanto se imagina por aí, rsrsrrs.

Minha fonte favorita para cosméticos históricos do século 18 é o livro “The Toilet of Flora”, que foi publicado pela primeira vez em 1772 e teve várias reimpressões ao longo do resto do século.  O livro tem um capítulo inteiro só com receitas de pomatum e não apenas para o cabelo. O pomatum também podia ser usado na pele, inclusive para tratar acne, se livrar de sinais incômodos e até retardar o envelhecimento. O livro fala que o pomatum podia ser usado sem aromas, mas o melhor era perfumar. De acordo com as receitas, os perfumes favoritos eram lavanda, jasmim, flor-de-laranjeira, cravos, limão e até manjericão!

pomatum século 18 cosméticos históricos
A aplicação de pomatum e pó também era feita nas perucas masculinas. Algumas fontes da época falam nessa rotina de beleza como preventiva de piolhos e outros hóspedes indesejados, além de ajudar a manter o cabelo forte.

 

ADAPTANDO A RECEITA

Cosméticos históricos sempre precisam de algum tipo de adaptação, seja para substituir ingredientes que eram tóxicos ou para pensar em substituições mais éticas. Quando falo em ética aqui, nem entro na questão do veganismo por si só; ninguém pensaria em usar espermacete nos dias de hoje! Porém, os fóruns de cosméticos naturais e conversas com pessoas que trabalham na área me ajudaram muito a pensar em substituições aceitáveis para o espermacete e para a banha. Troquei o espermacete por cêra de abelha (não é vegano, mas é melhor que o original!) e a banha por uma mistura maneiríssima de óleo de côco com óleo de jojoba. Como o óleo de jojoba já era usado na cosmetologia do século 18, ainda estou em terreno histórico.

Muitas das receitas originais envolviam prensar a banha com as flores frescas para extrair seus óleos essenciais. Eu realmente não estava no clima de algo tão trabalhoso, então resolvi usar óleos essenciais industrializados mesmo. Escolhi uma combinação de lavanda e jasmim.

Coloquei as gorduras para derreter em banho-maria, mexendo com uma espátula metálica para acelerar o derretimento da cera. Eu já tinha tentado fazer isso no microondas e o resultado foi um desastre; banho-maria é realmente a melhor alternativa. Depois que as gorduras estavam derretidas e misturadas, adicionei as gotas de óleos essenciais, despejei a mistura no recipiente final e peguei um garfo velho (que não será mais usado para outra coisa!) e comecei a mexer a mistura com uma certa velocidade. Assim que a mistura começou a esfriar, as bordas começaram a ficar pastosas. Dei uma última misturada geral e deixei solidificar dentro do microondas desligado e fechado.

Me baseei bastante nesse vídeo para o método de derretimento e mistura:

APLICANDO O POMATUM

Eu tava com uma pressa danada no dia, então nem consegui tirar fotos do processo em si. Mas vou tentar descrever por aqui.

Não lavei meu cabelo na noite anterior. No dia do teste, dividi meu cabelo em mechas e fui passando o pomatum com os dedos mesmo. O cabelo ficou com uma aparência bem oleosa (eca!), mas muito cheiroso. Caprichei na pomadinha porque eu ia fazer um penteado do século 18 e queria que o negócio ficasse firme.

Depois do pomatum, apliquei o pó (que era basicamente farinha de arroz passado por uma peneira de linho e perfumado igual à pomada) com um puff daqueles antigos, de aplicar talco. Meu cabelo ficou grisalho, mas quando eu comecei a modelar o penteado, A ESTRUTURA FICOU INCRÍVEL. Meu cabelo é muito ruim de fazer penteados, mas com pomatum + pó ele aguentou o dia todinho e era um dia super quente!!!

cosméticos históricos pomatum penteados século 18

Esse topete todo aí em cima é só pomatum + pó, sem nenhuma almofadinha. Nessa foto fica mais nítida inclusive a aplicação do pó:

cosméticos históricos penteado século 18 pomatum

O que me ajudou MUITO nesse processo foram os vídeos da LBCC Historical, uma marca gringa que trabalha justamente com reproduções de cosméticos históricos. Vou deixar os vídeos aqui para vocês verem o processo dela, já que o meu foi bem parecido (só que com mais sujeira pela casa)

EXTRAS

1) Depois que desmontei o penteado, fui lavar o cabelo e ele estava tão macio e hidratado que nem passei condicionador.

2) Esta semana resolvi testar o pomatum fora do século 18. Numa quantidade bem menor, apliquei no cabelo para me ajudar com a estrutura de um penteado semi-vintage e não é que funcionou?

COMENTÁRIOS

Historiadora, costureira e apaixonada pela história das coisas miúdas e aparentemente insignificantes. Alguém que acredita que a vida é muito curta para usar roupas comuns e que a moda é, sim, um espelho da história.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »