Beleza & Cosméticos

Bandoline, o laquê vitoriano [com receita!]

Alguns dias atrás descobri a existência do bandoline, o equivalente vitoriano do laquê. É basicamente um líquido incolor levemente pegajoso que, usado em conjunto com o pomatum (a versão do século 18 e 19 para a pomada modeladora), era indispensável para manter os complicados penteados vitorianos no lugar.

Versões industriais do bandoline e do pomatum eram vendidas nas farmácias e boticas vitorianas, mas estavam longe de ser seguras. As publicações femininas da época denunciavam que muitos deles usavam substâncias impuras, que prejudicavam a saúde do cabelo, e aconselhavam que o bandoline fosse feito em casa mesmo. Esse trecho de um artigo de 1859 da Godey’s Lady’s Magazine nos dá uma ideia de como fazer isso:

Em alguns temperamentos peculiares há grande dificuldade em manter o cabelo no lugar devido à sua finura. Isso é especialmente preocupante quando, no salão de bailes, o cabelo se desfaz ao menor exercício; uma mucilagem, preparada fervendo-se um punhado de sementes de linhaça em água até obter uma consistência gelatinosa, em geral remediará este defeito.

Os intrincados penteados franceses nos anos 1860 demandavam uma quantidade bem significativa de fixadores para manter os fios no lugar.

Mas a receita à base de linhaça não era a única. Sem um conservante, ela estragava muito rápido e outras fórmulas eram aconselhadas nos livros e revistas da época, usando ingredientes como goma de tragacanto e goma arábica, além de óleos essenciais e uma adição que prometia aumentar a vida útil do bandoline: uma base alcoólica.

COMO FAZER SEU BANDOLINE VITORIANO

O livro “Encyclopedia of Practical Receipts and Processes”, de 1872, traz a seguinte indicação para se produzir a mucilagem de linhaça: 1 dracma (3.8g) de sementes de linhaça para 200ml de água, ferver por 10 minutos e coar. Mas o autor alerta que deve ser feita uma quantidade pequena, pois a mistura estraga com facilidade.

A saída para aumentar a vida útil do bandoline vem de uma publicação de 1896 (“Quince Culture”), que aconselha a inclusão de um pouco de álcool na mistura: gin, vodka ou rum funcionam muito bem para isso.

Quanto mais concentrada for a sua mucilagem, maior será o poder de fixação do seu bandoline. Para chegar a uma fixação boa, estou trabalhando com as proporções de uma receita de 1902:

 

  • 1 colher de sopa de linhaça
  • 2 colheres de sopa de água
  • 2 colheres de sopa de álcool
  • 2 colheres de sopa de uma colônia perfumada.

Fervi a linhaça com a água por 10 minutos para liberar a goma da mucilagem e coei. Deixei a mistura esfriar um pouco, adicionei o álcool e depois um pouco de uma colônia da Perfumaria Orion (à base de ervas amazônicas) que eu já tinha em casa. Como eu só tinha conhaque em casa e a colônia é amarronzada, meu bandoline ficou com um tom amarelado:

bandoline laquê vitoriano

TESTANDO O BANDOLINE NA PRÁTICA

Fiz o bandoline alguns dias antes de embarcar para a Steampunk Santos e resolvi testar em casa mesmo. Infelizmente esqueci de tirar fotos. Mas descobri que ele tem dois efeitos muito bons: ele é altamente hidratante e dá corpo para o cabelo, o que facilita muito a vida da gente na hora dos penteados!

Mas foi lá na Steampunk Santos que o bandoline sofreu seu batismo de fogo. Na mini-oficina de penteados históricos, testamos a eficácia da mistura em modelos vitorianos e eduardianos autênticos, feitos do jeitinho que eram feitos na época.

Comecei passando uma quantidade generosa de bandoline nos cabelos das meninas, da raiz às pontas. Esperei uns 5 minutos enquanto a mistura era absorvida e eu preparava os materiais e explicava o penteado que seria feito:

bandoline penteados vitorianos
Esta moça aí da foto é a linda da Luana Nascimento, uma das leitoras do blog que eu tive o prazer de conhecer (e pentear!) por lá <3

O pomatum entrou como pomada modeladora (no caso das tranças e volteios) ou como um gel para segurar os cabelinhos rebeldes. Para finalizar, apliquei um pouco de bandoline nas mãos e, seguindo as instruções dos livros da época, fui passando muito de leve sobre o penteado já pronto. Mas, como estava muito quente, resolvi aplicar uma camada mais leve de laquê moderno do que estou acostumada a usar, só por prevenção. Vou mostrar aqui como ficaram os cabelos da Ju e da Luana, para vocês terem uma ideia:

Acabei fazendo no meu cabelo o mesmo penteado que já havia usado na CCFloripa com o cosplay da BatGirl, mas agora usando os produtos vitorianos. Confesso que foi muito mais fácil fazer a parte das tranças com o pomatum, que evitou aquele monte de fiozinhos rebeldes e arrepiados, como aconteceu na CCFloripa:

Mesmo num dia quente e úmido, o penteado aguentou muito bem. Mas a minha surpresa veio mesmo quando cheguei no hotel e fui desmontar o cabelo. Como tenho o hábito de usar muito laquê nos penteados, é regra que o cabelo fica destruído de seco e precisa de uma hidratação logo no dia seguinte. Mas, com o bandoline + pomatum isso não aconteceu #glória. Aliás, meu cabelo estava bem macio quando soltei o penteado:

E tem bônus para os meninos. O sr. Modisto/Zambi experimentou o bandoline na barba e os resultados foram ótimos. Além de hidratar, ele ajudou a modelar os fios do bigode com mais facilidade. Segundo ele, melhor que qualquer produto moderno que ele já testou antes!

Experimentou a receita do bandoline? Me conta como foi!

COMENTÁRIOS

Historiadora, costureira e apaixonada pela história das coisas miúdas e aparentemente insignificantes. Alguém que acredita que a vida é muito curta para usar roupas comuns e que a moda é, sim, um espelho da história.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »